Repositório Institucional UDF Trabalho de Conclusão de Curso Direito (Bacharelado)
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/jspui/handle/123456789/1610
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorGomes, Bruna da Costa-
dc.creatorMontanha, Jheinifer Laryssa de Souza-
dc.date.accessioned2021-02-22T14:06:46Z-
dc.date.available2021-02-22-
dc.date.available2021-02-22T14:06:46Z-
dc.date.issued2020-
dc.identifier.urihttps://repositorio.cruzeirodosul.edu.br/handle/123456789/1610-
dc.description.abstractThe presente work aims to analyze the reserve affective abandonment, configuring itself as one of the hypotheses of disinheritance, aiming to answer the importance of the family’s affection in relation to the elderly, as well as the jurisprudential understanding about the referred subject in light of the Civil of the Federal Constitution. For the execution of this work, the deductive method was used, based on doctrines that deal with Family Law and Succession Law, in addition to research on legislation, scientific articles, eletronic journals that address the rights and protection of seniors. In conclusion, legal mechanisms are needed to make penalties of na patrimonial nature feasible for those who violate the basic rights of their ancestors, as a way of making descendants aware of the importance of affection.pt_BR
dc.description.sponsorshipAgência 1pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherCentro de ensino Unificado do Distrito Federalpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectDireito de Famíliapt_BR
dc.subjectIdosopt_BR
dc.subjectAbandono Afetivopt_BR
dc.subjectInversopt_BR
dc.subjectDeserdaçãopt_BR
dc.titleO abandono afetivo inverso e a possibilidade de deserdaçãopt_BR
dc.typeTrabalho de Conclusão de Cursopt_BR
dc.creator.Lattes...pt_BR
dc.contributor.advisor1Oliveira, Cristiane Pereira Vianna de-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6055376806558307pt_BR
dc.description.resumoO presente trabalho possui como objetivo analisar o abandono afetivo inverso, se configurando como uma das hipóteses de deserdação, visando responder a importância do afeto dos familiares em relação aos idosos, bem como o entendimento jurisprudencial a respeito do referido tema à luz do Código Civil e da Constituição Federal. Para a execução deste trabalho foi utilizado o método dedutivo, se baseando em doutrinas que versam sobre o Direito de Família e o Direito das Sucessões, além de pesquisa a respeito das legislações, artigos científicos, revistas eletrônicas que abordam como temática os direitos e proteção dos idosos. Concluindo-se que são necessários mecanismos legais que viabilizem penalizações de cunho patrimonial para aqueles que violam os direitos básicos aos seus ascendentes, como forma de conscientizar os descendentes sobre a importância do afeto.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentCoordenação do curso de Direitopt_BR
dc.publisher.initialsUDFpt_BR
dc.subject.cnpq6.01.00.00-1 Direitopt_BR
dc.relation.referencesABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2000. ALVEZ, Júlio Henrique de Macêdo. A evolução nas definições de família, suas novas configurações e o preconceito. 2014. Disponível em: http://monografias.ufrn.br:8080/jspui/bitstream/123456789/892/1/JulioHMA_Monografia.pdf. Acesso em: 05 out. 2020. BARROS, Sérgio Resende de. O direito ao afeto. Instituto Brasileiro de Direito de Família. 24 jun. 2002. Disponível em: https://www.ibdfam.org.br/artigos/50/O+direito+ao+afeto. Acesso em: 18 out. 2020. BOBBIO, Norberto. O tempo da memória. In: de senectude e outros escritos autobiográficos. Rio de Janeiro: Campus, 1997. BOIN, Gizelli Karol Both Palermo. Do afeto como categoria jurídica: consequências do abandono no direito das sucessões. 2016.Disponível em: https://aberto.univem.edu.br/bitstream/handle/11077/1673/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20- %20GIZELLI%20KAROL%20BOTH%20PALERMO%20BOIN.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 05 out. 2020. BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 33. ed. São Paulo: Malheiros, 2018. BRAGA, Pérola Melissa Vianna. Curso de direito do idoso. São Paulo: Atlas, 2011. BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 23 set. 2020. BRASIL, Lei n. 10.741, de 1º de outubro de 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm. Acesso em: 15. out. 2020. BRASIL. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm. Acesso em: 09 nov. 2020. BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 699 de 2011. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegracodteor=848554&filename=PL+699/2011. Acesso em: 07 nov. 2020. BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. REsp: 1159242 SP. Relatora: Ministra Nancy Andrighi. Brasília, 24 de abril de 2012. Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/865731390/recurso-especial-resp-1159242-sp-2009-0193701-9. Acesso em: 29 out. 2020. BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei nº 118 de 2010. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/96697. Acesso em: 29 out. 2020. BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 3.145 de 2015. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=1805805. Acesso em: 30 out. 2020. BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei nº 6.548 de 2019. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/140284. Acesso em: 5 nov. 2020. BRASIL. Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Inteiro Teor 107070103317000011 MG. Relator: Edilson Fernandes. Minas Gerais, 5 de setembro de 2006. Disponível em: https://tj-mg.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/5900794/107070103317000011-mg-1070701033170-0-001-1/inteiro-teor-12038195. Acesso em: 6 nov. 2020. BRASIL. Tribunal de Justiça de Minas Gerais. AC 10433150224189001 MG. Relator: Carlos Levenhagen. Minas Gerais, 10 de maio de 2018. Disponível em: https://tj-mg.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/578074083/apelacao-civel-ac-10433150224189001-mg. Acesso em: 6 nov. 2020. BRASIL, Tribunal de Justiça do Goiás. Apelação 03973235520188090011 GO. Relator: Des(a). Guilherme Gutemberg Isac Pinto. Goiás, 13 de abril de 2020. Disponível em: https://tj-go.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/931681885/apelacao-cpc-3973235520188090011/inteiro-teor-931681887. Acesso em: 7 nov. 2020. BRASIL, Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Inteiro Teor 07379235420178070001 DF. Relator: João Egmont. Brasília, 23 de outubro de 2019. Disponível em: https://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/778294895/7379235420178070001-df-0737923-5420178070001/inteiro-teor-778294979. Acesso em: 8 nov. 2020. CALDERÓN, Ricardo. Princípio da afetividade no direito de família. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2017. CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7 ed. Coimbra: Edições Almedina, 2003. CARDIN, Valéria Silva Galdino; FROSI, Vitor Eduardo. O afeto como valor jurídico. 2010. Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/fortaleza/3911.pdf. Acesso em: 17 out. 2020. CARVALHO, Dilma Maria de. Os desafios de envelhecer no Brasil. Portal do Envelhecimento e Longeviver. 2019. Disponível em: https://www.portaldoenvelhecimento.com.br/os-desafios-de-envelhecer-no-brasil/. Acesso em: 15 out. 2020. CARVALHO, Luiz Paulo Vieira de. Direito das Sucessões – 4. Ed. – São Paulo: Atlas, 2019. CASTRO, Izamara Dayse Cavalcante de. Abandono Inverso: A responsabilidade civil pelo abandono afetivo e material de idosos no Brasil. 2019. Disponível em: https://ambitojuridico.com.br/cadernos/direito-civil/abandono-inverso-a-responsabilidade-civil-pelo-abandono-afetivo-e-material-de-idosos-no-brasil/. Acesso em: 16. out. 2020. CAVALIERI, Sergio Filho. Programa de responsabilidade civil. 13. ed. São Paulo: Atlas. 2019. DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito das Famílias. 4. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2016. DINIZ. Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: responsabilidade civil. 21. ed. São Paulo: Saraiva, 2007. FERREIRA, Oswaldo Monteiro Ferreira; RIDOLPHI, Alencar Cordeiro; SILVA, Brena Pedrosa da. Os principais princípios contemporâneos norteadores do direito de família. 2019. Disponível em: https://www.boletimjuridico.com.br/artigos/direito-civil-familia-e-sucessoes/4543/os-principais-principios-contemporaneos-norteadores-direito-familia. Acesso em: 28. set. 2020. FREITAS JUNIOR, Roberto Mendes de. Direitos e garantias do idoso: doutrina, jurisprudência e legislação. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2015. FRÓES, Carla Baggio Laperuta; TOLEDO, Iara Rodrigues de. Da afetividade e do direito personalíssimo ao patronímico/matronímico. In: Iara Rodrigues de Toledo, Sarah Caroline de Deus Pereira, Carla Baggio LaperutaFróes. (Org.). Estudos acerca da efetividade dos direitos de personalidade no direito das famílias. 1. ed. São Paulo: Letras Jurídicas, 2013, v. 1. p. 15. FERRAJOLI, Luigi. Los fundamentos de los derechos fundamentales. Tradução de Klauss Corea de Souza. Madrid: Editorial Trotta, 2005. GAGLIANO, Pablo Stolze; FILHO, Rodolfo Pamplona. Manual de direito civil – volume único. 4. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2020. GONÇALVES, Carlos Roberto, Direito civil brasileiro, volume 6: direito de família.15. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018. GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro, volume 7: direito das sucessões. 12. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018. HATHAWAY, Gisela Santos de Alencar. Comentários ao Estatuto do Idoso – Lei 10.741/2003. Brasília: Consultoria Legislativa, Câmara dos Deputados, 2015. HIRONAKA, Giselda Maria Fernandes Novaes. 2012. apud MATOS, Lorena Araújo. Responsabilidade Civil por abandono afetivo. 2017. Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=19057&revista_caderno=14. Acesso em: 08. nov. 2020. HIRONAKA, Giselda Maria Fernandes Novaes. Comentários ao Código Civil. 2. ed.São Paulo: Saraiva, 2007. v. 20. IBDFAM, Assessoria de Comunicação do. Abandono afetivo inverso é tema de palestra no Congresso Nacional do IBDFAM. 14 de agosto de 2019. Disponível em: http://ibdfam.org.br/noticias/7027/Abandono+afetivo+inverso+%C3%A9+tema+de+palestra+no+Congresso+Nacional+do+IBDFAM.%20Acesso%20em%2011%20de%20maio%20de%202020. Acesso em: 08 nov. 2020. INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO DE FAMÍLIA - IBDFAM. Abandono afetivo inverso pode gerar indenização. Disponível em: http://www.ibdfam.org.br/noticias/5086/+Abandonoafetivo+inverso+pode+gerar+indeniza%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 07 nov. 2020. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. Agência de Notícias IBGE, 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia59 noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017. Acesso em: 13. out. 2020. LEITE, Eduardo de Oliveira. Direito civil aplicado - direito de família, vol. 5, Editora Revista dos Tribunais, SP. 2005. LIMA, Joyce Cibelly de Morais. Abandono afetivo inverso: a responsabilidade civil dos filhos em relação aos pais idosos. 2015. Disponível em: https://www.ibdfam.org.br/artigos/1055/Abandono+afetivo+inverso%3A+%3Fa+responsabilidade+civil+dos+filhos+em+rela%C3%A7%C3%A3o+aos+pais+idosos+. Acesso em: 25. set. 2020. LÔBO, Paulo. Direito Civil: Família. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2009. LUZ, Valdemar P. da. Dicionário Jurídico. 3. ed. Barueri - SP: Manole, 2020. MACHADO, José Jefferson Cunha. Curso de Direito de família. Sergipe: UNIT,2000. MARQUES, Luís. I. Coleção saberes do direito; v. 38 - Direitos difusos e coletivos V: idosos e portadores de deficiência, 1. ed. Editora Saraiva, 2012. MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Elementos de direito administrativo. São Paulo: RT, 2006. MENDES, Gilmar Ferreira; COELHO, Inocêncio Martires; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de direito constitucional. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2008. O GLOBO. Idosos serão um quinto do planeta em 2020, diz OMS. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/idosos-serao-um-quinto-do-planeta-em-2050-diz-oms-17649843#ixzz4vrsqNlY 2015. Acesso em: 13. out. 2020. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Tradução por Suzana Gontijo. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf. Acesso em: 15.out. 2020. PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil. Direito de Família. reve atual. vol. V. 13.ed., Rio de Janeiro: Forense, 2002. PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Direito de família: uma abordagem psicanalítica. 4. ed.Rio de Janeiro: Forense, 2012. PEREIRA, Tânia da Silva; COLTRO, Antônio Carlos Mathias; OLIVEIRA, Guilherme de. Cuidado e afetividade: projeto Brasil/Portugal – 2016-2017. São Paulo: Atlas,2017. PONTES, Patrícia Albino Galvão; PINHEIRO, Naide Maria. Estatuto do idoso comentado. 2. ed. rev. atual. e ampl. Campinas – SP: Servanda, 2008. SANTOS, Fabiani; RUBIO, Juliana de Alcântara Silveira. Afetividade: Abordagem no Desenvolvimento da Aprendizagem no Ensino Fundamental – Uma Contribuição Teórica. Revista Eletrônica Saberes da Educação – Volume 3 – nº 1 -2012. SCHIMIDT, Shauma Schiavo. A legitimidade do afeto no estado democrático de direito. Revista Em Tempo (Online), v. 13, 2014. SENADO FEDERAL. Debate revela discriminação e violência contra idosos brasileiros. Jornal do Senado, Brasília, 12 de setembro de 2012, p. 6. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/jornal/edicoes/2012/09/12/jornal.pdf. Acesso em: 15.out. 2020. SILVA, Lillian Ponchio e et. al. Responsabilidade Civil dos filhos em relação aos pais idosos: abandono material e afetivo. Disponível em: http://www.lex.com.br/doutrina_24230664_RESPONSABILIDADE_CIVIL_DOS_FILHOS_COM_RELACAO_AOS_PAIS_IDOSOS_ABANDONO_MATERIAL_E_AFETIVO.aspx. Acesso em: 25. set. 2020. SPERIDIÃO, Lucimara Barreto; PEREIRA, Cláudia Fernanda de Aguiar. Sucessão testamentária: o abandono afetivo como causa de deserdação. RevistaJurisfib, v.IV, p. 37, 2013. TARTUCE, Flávio. Direito Civil: direito das sucessões – v. 6. 12. ed. Rio de Janeiro;Forense, 2019. TARTUCE, Flávio. Direito Civil: direito de família – v.5. 14. ed. Rio de Janeiro:Forense, 2019. TARTUCE, Flávio. O dano Moral à integridade psíquica: uma análise interdisciplinar in Questões Controvertidas- Responsabilidade Civil. Séries Grandes Temas de Direito Privado. v. 5. Coordenação Mário Luiz Delgado e Jones Figueirêdo Alves. São Paulo: Método, 2006. TJDFT. Central Judicial do Idoso registra 118 casos de violência em 2019. 2019. Disponível em: https://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/noticias/2019/junho/central-do-idoso-etema-de-reportagem-da-tv-globo. Acesso em: 16. out. 2020. VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: Direito de Família. 6. ed. São Paulo: Atlas,2006. VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil: sucessões. 17. ed. São Paulo: Atlas, 2017. VIANNA, Roberta Carvalho. O Instituto da Família e a Valorização do Afeto como Princípio Norteador das Novas Espécies da Instituição no Ordenamento Jurídico Brasileiro – Florianópolis/SC. REVISTA DA ESMESC, v. 18, n. 24, 2011. VIEGAS, Cláudia Mara de Almeida Rabelo; BARROS, Marília Ferreira. Abandono Afetivo: O Abandono do Idoso e a Violação do Dever de Cuidado por Parte da Prole – Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Direito – PPGDir. /UFRGS.2016. Rio Grande do Sul. 2016.pt_BR
Aparece nas coleções:Direito (Bacharelado)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
bruna da costa gomes756.08 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.